quarta-feira, fevereiro 22, 2006


Corpo
Sereno
Solto no tempo
Boca queimada
Por sóis
Sedento

Mãos estreitas
Ternuras abertas

Cabelos negros
Seiva macia

Seara
Infinita

Olhos gaiatos
Mosto mel

Revolta
Insegura e viva

Porto em que se abriga
A minha sede

1 comentário:

David disse...

mulher...que te posso dizer...se escreves assim, para além de ser assim...